banner
Clique aqui e assine edificar

Museu José Lins do Rego Fotos: Herbert Clemente/Revista Edificar

Museu José Lins do Rego

No espaço é possível conhecer detalhes da vida e obra do escritor paraibano

Postado em por edificar

Notícias

Detalhes sobre a vida e obra do paraibano José Lins do Rego, um dos escritores regionalistas mais consagrados do país, podem ser conhecidos no museu que leva o nome dele, situado no interior da Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc). O local apresenta diversos objetos que estiveram presentes na vida do autor das obras “Menino de engenho” (1932), “Doidinho” (1933), “Bangüê” (1934), “O Moleque Ricardo” (1935), “Usina” (1936), entre outros nove títulos. O museu fica aberto para visitação de segunda à sexta, das 8h30 às 11h e das 14h30 às 17h30. A entrada é gratuita.

museu josé lins do rego

museu josé lins do rego

No Museu José Lins do Rego, é possível observar documentos pessoais, como o passaporte dele e da esposa; carteira de sócio do Flamengo, time do coração de José Lins; entre outros papéis que certificam homenagens e prêmios recebidos durante a vida ou após a morte do paraibano.

Os doze romances escritos por José Lins do Rego, da mesma forma que as coletâneas de crônicas, estão expostas para os visitantes. Algumas das obras podem ser vistas, inclusive, em versões internacionais, traduzidas para espanhol, inglês, russo, e até romeno.

A parte mais íntima do paraibano, entretanto, fica no escritório dele, remontado com as peças doadas pela família na década de 80. Com base em fotos, o espaço foi todo remontado com dedicação, para dar ao visitante a sensação de estar no ambiente da forma como era frequentado pelo escritor. Nas estantes do escritório, estão dispostos livros que fazem parte do acervo bibliográfico de José Lins.

museu josé lins do rego

museu josé lins do rego

museu josé lins do rego

Nascido no ano de 1901, no Engenho Corredor, em Pilar, José Lins do Rego levou a experiência da vida no campo para os seus primeiros romances. O escritor faleceu em 1957, no Rio de Janeiro, um ano após tomar posse em uma das cadeiras da Academia Brasileira de Letras.

Por Herbert Clemente