banner
Clique aqui e assine edificar

Acabamento é o mais importante nas peças de mármore e granito Foto: Bárbara Wanderley

Acabamento é o mais importante nas peças de mármore e granito

Empresa pessoense trabalha nos detalhes como diferencial

Postado em por edificar

Notícias

Por Bárbara Wanderley

O acabamento é o grande diferencial nas peças de mármore e granito, segundo o empresário Jesuester Benício, da Learddi Mármores e Granitos. Segundo ele, o acabamento feito com água garante brilho duradouro às peças, enquanto o feito com cera de carnaúba, embora seja mais rápido, altera as cores e perde o brilho em pouco tempo. “São nesses detalhes que a gente vai se destacando no mercado”, afirmou.

Além do efeito do polimento, Benício destacou que as emendas entre as peças devem ser feitas de forma a ficarem imperceptíveis, parecendo que trata-se de um único bloco. Com três anos de existência a Learddi atende construtoras e consumidores finais de João Pessoa, fornecendo peças como balcões, soleiras, peitoris, fachadas, escadas, entre outros, basicamente tudo que possa ser feito de mármore ou granito, sintético ou natural. O prazo de entrega, de 20 dias úteis, é outro diferencial da empresa.

Benício explicou que, por ser poroso, o mármore não é indicado para cozinhas, pela constante infiltração de água e outras substâncias. Nesse caso, deve-se usar o granito. Por outro lado, o mármore tem boa resistência a intempéries e é muito usado em áreas externas, sendo também mais durável. “O mármore escurece com o tempo, mas consegue ganhar nova vida com um tratamento adequado. O granito também pode ser polido, mas não fica do mesmo jeito”, disse.

Segundo ele, os materiais sintéticos têm sido bastante procurados, principalmente pela uniformidade da cor. As cores neutras, em tons de bege, branco e cinza também são as mais procuradas, mas também há disponibilidade de tons mais inusitados, como verdes, vermelhos e amarelos.

Algumas opções de cor (Foto: Bárbara Wanderley)

Sem desperdício

Do mármore e do granito nada se perde, conforme explicou a diretora administrativa da Learddi, Patrícia Bernardo de Andrade. Com as sobras, os funcionários têm feito peças menores, como tábuas de carne e até cofrinho de moedas. Alguns são dados como brindes para os clientes.

A água, usada pela máquina de corte, também não é desperdiçada. Grande parte dela retorna para o reservatório e é reutilizada para cortar outras peças, tornando todo o trabalho mais econômico e sustentável.